sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

COACHING


Como se dizia antigamente no Brasil, em relação aos norte-americanos: "Somos macaquinhos de imitação".
A moda atual é "Coaching". Tudo é Coaching.
Então, a partir de agora não sou mais Pai Espiritual, Pai de Santé etc.
Agora sou "Coaching de Santé". RSSSS.Acabei de ver no Google, no site do Instituto Brasileiro de Coaching, o depoimento de José Roberto Marques, presidente dessa instituição e Master Coaching Trainer, que Coaching significa tirar um indivíduo de seu estado atual e levá-lo ao estado desejado de forma rápida e satisfatória.
Agora entendo porque estão "formando" pais de santo, sacerdotes, "magos" ou seja lá que caralho for, de forma tão rápida. É o Coaching Astral. Como se fosse possível formar sacerdotes. Como se o sacerdote já não trouxesse a marca do sacerdócio impressa no seu campo astral. Como se já não trouxesse, ao encarnar, suas ordens e direitos do plano espiritual.
Não sou contra esses "cursinhos" a toque de caixa, pois sempre trazem algumas informações e subsídios para os que vão exercer, de fato e de direito, Agora pensar que esses cursos vão formar sacerdotes etc., é muito para minha cabeça.
Fico à vontade para falar, pois, ministrei alguns desses cursos (dois anos de duração). Só que sempre deixei claro que aquele curso não formava sacerdotes, tampouco Babalawos. Na Umbanda não existem Babalawos, que fique claro. Se alguém assim se intitula, dentro das tradições da Umbanda, é um problema dele ou dela.
A propósito, no idioma Yorubá "Babá" significa Pai e não Mãe. Certo Babás?
 Alguns poderiam dizer: mas você é um Babalawo!. Sim. Sou. (Babalawo Ifasoya Ifadaisi Agbole Obemo), de fato e direito, mas não dentro da Tradição de Umbanda. Sou Babalawo na Tradição yorubá de Orunmilá-Ifá, pois Ifá me mostrou o meu caminho nessa tradição e fui iniciado e consagrado por, ninguém mais, ninguém menos, que Otumba Adekunlé Aderonmu (Babá Jimy).
Ah! Zélio de Moraes! Ah! Matta e Silva! Ah! Benjamim Figueiredo!
Como seria bom se vocês estivessem encarnados, empunhando a espada da Lei e o chicote de Jesus que vergastou o lombo dos vendilhões do templo. Os vendilhões da Umbanda precisam sentir o corte da vossas lâminas e o vergastar do chicote.
Ao mesmo tempo me sinto egoísta querendo que vocês estivessem encarnados, pois tenho certeza que a vossa tarefa nessa dimensão em que se encontram é muito mias importante do que cuidar, de forma encarnada, das mazelas, do exibicionismo e do comércio sem vergonha da maioria dos dirigentes umbandistas.
Humildemente peço a benção a vocês três. Os três maiores médiuns e pilares que implantaram a Umbanda, religião milenar, no solo sagrado da Terra do Cruzeiro do Sul.
GostoMostrar mais reaçõesComentar

Nenhum comentário: