segunda-feira, 23 de junho de 2014

IMAGENS DO PRIMEIRO CONGRESSO BRASILEIRO DO ESPIRITISMO DE UMBANDA DE 1941

Apesar da baixa resolução é um importante registro histórico. 




CONFUSÃO ENTRE MACUMBA E UMBANDA

Anuncio do jornal Diário Carioca de 1952 mostra a confusão feita entre Macumba e Umbanda.



quarta-feira, 18 de junho de 2014

PRIMEIRO CONGRESSO BRASILEIRO DO ESPIRITISMO DE UMBANDA

Em 18 de outubro de 1941 o "Diário de Notícias" do Rio de Janeiro anunciava a instalação do Primeiro Congresso Brasileiro do Espiritismo de Umbanda.



terça-feira, 17 de junho de 2014

O SEMANÁRIO

O jornal carioca "O Semanário" apresentava semanalmente uma sessão intitulada "Movimento Espiritualista Brasileiro" dirigida pelo Capitão Pessoa e onde escreviam Matta Silva, João Severino Ramos e o próprio Capitão Pessoa dentre outros.



SEU SETE DA LIRA NO JORNAL "ULTIMA HORA"

Em 17 de janeiro de 1983, o jornal "Ultima Hora" do Rio de Janeiro trazia uma reportagem com seu Sete da Lira.


  

JORNAL DE UMBANDA (1957)

Primeira página do "Jornal de Umbanda" (novembro de 1957)




ZÉLIO DE MORAES (DÉCADA DE 1970)


www.tendaespiritanspiedade.com.br


CRUZEIRO DAS ALMAS NA CABANA DE PAI ANTONIO


Fonte:  www.tendaespiritanspiedade.com.br


PROPAGANDA SOBRE LIVRO DE UMBANDA EM 1943

Na edição de 4 de abril de 1943 do jornal "Diário de Notícias" aparecia uma propaganda sobre um livro de Lourenço Braga. 




A MACUMBA E A PALMATÓRIA

Na edição de 25 de novembro de 1932, o "Diário de Notícias" do Rio de Janeiro trazia uma matéria sobre a Macumba, de Leal de Souza. Essa matéria foi publicada depois no livro "O Espiritismo, a Magia e as Sete Linhas da Umbanda" (segunda edição pela Editora do Conhecimento). 


Na matéria, Leal de Souza escrevia sobre a prática dos dos pais de santo de aplicar a palmatória aos filhos de santo para avaliar a real incorporação dos mesmos. 



quinta-feira, 12 de junho de 2014

O PRIMEIRO ARTIGO DE W. W. DA MATTA E SILVA NO JORNAL DE UMBANDA (1954)

ALGO SOBRE A UMBANDA

 W. W. da Matta e Silva 

 Jornal de Umbanda, Julho de 1954, n. 44 


 Alerta umbandistas! A Bandeira de Ogum está desfraldada; toda Banda está em demanda, contra a Confusão e a Ignorância, que campeiam e imperam por aí, em certos Centros que se dizem de Umbanda. Saibam todos, Irmãos de Lei, que Ela não vem sendo praticada como deveria ser, mesmo na maioria nas Tendas e Cabanas existentes. Ela não é esse “Coquetel” de Africanismos, Candomblés e Linhas de Chão, em pleno “Sabat”.Saibam ainda os bem intencionados em sua Fé: Na maioria esses “médiuns” que afirmam “receber” Pai esse, Pai aquele, Caboclo tal, não “recebem” coisa alguma, podem ser incluídos no rol dos sugestionados pela vaidade, na dos mistificadores conscientes, e na dos simples e ingênuos. 
Se quereis provas observai-os apenas... Por exemplo: Vede com que facilidade lançam mão da Pemba e riscam setas, estrelas, sóis, luas, lanças e espadas, tudo bem desenhado copiado e aprendido nesses livros, que ensinam “Mirongas”, ou traçam riscos sem “pé nem cabeça”, onde não se identifica o mais leve sinal da Lei de Pemba, esotérica e profunda. Alerta umbandistas sinceros, que possuis uma mente para pensar e discernir: Esses “Médiuns” não o são de fato e de direito, seus “dons” não o capacitam para incorporar Entidades da Luz de um Xangô, um Ogum, e muito menos de um legítimo Pai Preto, que são os mais mistificados, a ponto do “cavalo” escolher  o nome do guia que tem simpatia, em vez de ser escolhido, de acordo com as suas afinidades nesse Plano, se for o caso. Meditai umbandistas! Sabeis que o mediunismo existe, existirá e sempre existiu, desde quando a pesquisa nos leva a estudar a origem de qualquer Seita, Religião ou Ciência, que nos vem através dos milênios sob vários nomes e formas. Portanto digo e afirmo com toda convicção: a Lei de Umbanda existe; não nesses Templos luxuosos onde predomina a vaidade, cujos Médiuns são qualificados em relação à posição social e financeira; não nesses “terreiros” onde se batem tambores, atabaques e palmas e os coités correm de boca em boca no gargalho anímico dos “cavalos de Exu”, que na mais alta de suas concepções, creem nesses espíritos como “divindades de dupla personalidade” senhores da força que faz e desfaz.Digo e afirmo que as Entidades que cumprem Missão no plano de Umbanda e dirigem sua Lei, sabendo onde e como funciona a Lei de Causa e Efeito (o Carma como dizem os hindus), podendo e fazendo muito para suavizar as nossas provações esclarecendo quais ações negativas de um passado, gerou um presente estado de coisa, e mostrando conforme o caso, os meios mais hábeis a tal fim; não devem ser chafurdadas e confundidas, menos por ignorância, do que por má fé ou esperteza.Afirmo com convicção e conhecimento que a chave dessas Verdades ocultas abrem as Portas do Templo de Umbanda em sua parte esotérica àqueles que merecem e forem senhores de um psíquico  forte, deixando o exterior com seus Mitos e suas Formas aos que, ambiciosos e cheios de empáfia, devem permanecer circulados, nessa outra parte – a Exotérica.Médiuns, alerta. Fazei nova afinação em vossas correntes fluídicas, pois, ao aferir essas vibrações, ficareis surpresos e tremereis; tremereis porque, não mais ouvireis o grito de Ogum no alto das Serras; nem o brado de Xangô, Senhor da Tempestade, dono das Cachoeiras; nem o assovio de Oxóssi, Rei das Matas. Apenas escutareis, vindo de longe, bem longe, do Reino de Aruanda, o lamento de Pai Preto, chorando... E pela brisa que vem do mar, a voz soluçante de Mamãe Oxum, que diz: “eu perdoo, mas busquem a Luz da Verdade”.  

domingo, 8 de junho de 2014

JORNAL DE UMBANDA



Jornal de Umbanda, fundado por Zélio de Moraes,  foi o principal periódico da nossa  religião no período de de 1947 até 1968.

Antes da publicação de sua obra prima, Umbanda de Todos Nós. W. W. da Matta e Silva  escreveu para este periódico entre julho de 1954 e dezembro de 1955.

Apresentamos a primeira página do Jornal de Umbanda, de junho/julho de 1955, onde Mestre Yapacani escreveu a matéria "A Magia na Umbanda".




quarta-feira, 4 de junho de 2014

PROPAGANDA DE 1957 SOBRE O LIVRO "UMBANDA DE TODOS NÓS"


MATÉRIA INÉDITA SOBRE W. W. DA MATTA E SILVA

Apresentamos uma maravilhosa matéria de Mestre Yapacani  publicada em 1957 em um periódico do Rio de Janeiro.

Apresentamos também uma foto de 1956 de Matta e Silva. Apesar da baixa resolução, não podíamos deixar de fazer o registro histórico. 


Esta e outras matérias inéditas de Matta e Silva, Capitão Pessoa, João Severino Ramos e outros importantes escritores da Umbanda serão publicadas em breve no livro "W. W. da Matta e Silva e o Capitão Pessoa no Jornal de Umbanda".


Sou depositário da maior parte do acervo do Jornal de Umbanda.
Diamantino F. Trindade



UMBANDA OU A RESSURREIÇÃO DOS ANTIGOS MISTÉRIOS

W. W. da Matta e Silva


Umbanda como Lei, Expressão e Regra, é a força mágica, que abarca ou enfeixa, todo este tremendo e crescente movimento religioso, já alcançando milhões de criaturas, através de milhares e milhares de agrupamentos-afins (Tendas, Cabanas, Terreiros, Centros, Templos, Ordens, Fraternidades, Casas etc.), já existentes por quase todos os Estados do Brasil. 
O vocábulo Umbanda somente pode ser, dentro das qualificadas de línguas mortas, assim como sânscrito, no pelhvi, nos sinais védicos e, diretamente, na língua ou alfabeto adâmico ou vatânico, dito primitivo da humanidade, quando entre este e aqueles, a tônica dá as variações próprias, desde o AUM-BAN-DAN, ÔM-BAN-DÁ, UM-BAN-DÃ, AUM-BAN-DA, ÔM-BAN-DHA ETC.
Sua origem se perde na pré-história... Todavia, entre os Angoleses, existe o termo forte de KI-NBANDA – kia kusaka ou kia dihamban – que significa, sacerdote, feiticeiro, o que cura doenças, invocador dos espíritos etc., firmado no radical MBANDA (parte inflexível), conservado através de milênios, legado da tradição oral da raça africana, o qual é uma corruptela do original U-MBANDA, conhecido de seus primitivos sacerdotes (que também foram depositários do mistério ou da síntese religiosa que esta palavra traduz), quando os Templos se erguiam, imponentes, no Alto Egito, e na lendária Índia, em remotas épocas. Fazemos notar também, que deste vocábulo trino, os Bahmas identificam apenas uma expressão – o AUM védico...
O valor real desta palavra, transcende da maneira comum, pronunciada por nós a própria magia do som, isto é, das vibrações. Ela tem uma vocalização especial, usada na parte esotérica, pois se transforma em poderoso mantram, que corresponde ou provoca certas correntes fluídicas de harmonia, no psiquismo, pelo chackra ou Plexo Frontal.
Então comprovamos que Umbanda é um termo místico, sagrado, vibrado, litúrgico, implantado de 40 anos para cá (depois de 1917),[1] pelos espíritos chamados de caboclos e pretos velhos, dentro dos cultos Afro-Brasileiros, quando estes ambientes alcançaram certa tônica espiritual e quando se fez necessário traduzirem por ele, uma coordenação de Princípios, Fundamentos, sistemas e Regras, e significa, em realidade – CONJUNTO DAS LEIS DE DEUS...


Elucidação necessária

Devemos esclarecer, para que se compreenda bem o exposto, que os nossos irmãos africanos, aportados no Brasil, como escravos, já tinham seus cultos e como elemento básico, impulsionando a razão de ser dos rituais, a invocação dos Orixás, como manifestação espirítica: era o decantado “estado de santo” – transe mediúnico para nós e excitação ou “l’animisme fetichiste” de Nina Rodrigues – onde os “pais de santo e respectivas filhas” ficavam “possuídos pelo Orixá”...
O fenômeno espírita propriamente dito, considerado por eles, como o vértice de seus terreiros, era o da manifestação do referido Orixá, que nenhum Babalaô ou Babá, dos tempos passados e presentes, JAMAIS definiu ou caracterizou como sendo um espírito de preto, branco, mestiço ou alemão, francês, japonês etc. O conceito, até hoje fundamentado, é o seguinte: Os Orixás ancestrais, que interpenetram, ora como força divinizada da natureza, ora como Espíritos Superiores desta mesma natureza, ora como “deuses da mesma categoria dos anjos no cristianismo” – não baixam, isto é, não se manifestam no sentido de transe mediúnico, não incorporam. Os que baixam são os Orixás intermediários. Estes na variação do conceito de modernos Babalaôs, não devem “ser confundidos com espíritos elementais, nem tampouco com o santo católico”, que vem a ser um EGUN... E ainda: os africanos, fora da cerimônia funerária, na qual invocavam a alma do pai de santo morto, esperando viesse ditar sua última vontade, não aceitavam, ou melhor, nem cogitavam em eguns, nos seus rituais ou praticas religiosas...
Os Orixás intermediários devem ser forçosamente, pela Lei de Afinidades, espíritos de certas categorias cuja evolução, ainda os sujeitam ao karma coletivo e individual. Foram necessariamente, encarnados – passaram pela vida terrena – e incontestavelmente, EGUNS. Estes, segundo os ensinamentos, são espíritos de desencarnados... Portanto, a natureza dos espíritos que se manifestavam nos “cavalos ou médiuns”, considerados como orixás, era uma incógnita para os africanos... E, não sabemos se os atuais sacerdotes desses cultos já resolveram esse “mistério”.
Para nós outros, dentro da iniciação genuinamente umbandista, este “mistério” não existe. Sabemos que os classificados como Orixá intermediários, atuantes exclusivamente no primeiro plano desta Grande Lei, são exatamente o que o esoterismo indiano conhece como Nirmanakayas. Precisamente como diz Arthur C. Powel em sua obra “El CuerpoAstral”: Un Nirmanakaya fué um ser humano que há alcanzado la perfeccion, que há puesto de lado su cuerpo físico, pero conserva sus princípios inferiores, manteniendo-se en contato com la tierra, al objeto de ayudar em la evolucion de a humanidade. Estas grandes entidades pueden comunicarse e, em contados casos, se comunican, valiendose de um medium, pero este ha de ser muy puro e de caracter muy elevado”.
Mas, o que ainda ficou claro e patente, é que este fenômeno ou costume de Babalaôs receberem espíritos de “caboclos e “pretos velhos” – que são desencarnados, eguns – estabeleceu-se, ou melhor, tornou-se em REGRA, depois, muito depois, quando se firmou completamente o entrelaçamento com o meio aborígene e subsequentes mesclas. Em suma: a atuação deste espíritos deu-se como processo ou movimento evolutivo, imperativo, gerado ou nascido AQUI, nas boas terras brasileiras, sob a vibração do Cruzeiro do Sul, ao findar a Era de Pisces... Foi este o PROCESSO, o fixador da influência e respectiva CONSOLIDAÇÃO do que, conscienciosamente afirmamos como Lei de Umbanda...
É absurdo e ridículo, supor-se que Seres desencarnados do estado de índios kalapalos, xavantes ou de africanos, destas tribos ou nações ainda existentes, em condições primitivas, lhes sejam facultados pelos Orixás Superiores (conhecido no esoterismo oriental como Senhores do Karma – os Lipikas – pois que o nome não altera a essência da coisa), atuarem pela manifestação mediúnica, a fim de ensinarem aquilo que eles não sabem, isto é, manifestarem conhecimentos profundos, movimentarem forças sutis da magia, com alto discernimento de causas e efeitos etc., conhecimentos estes, somente adquiridos em sucessivas provas e experiências, por intermédio de outras condições humanas
É ponto fechado nos ensinamentos ocultos, que os remanescentes atrasados de nossa 5a Raça-Raiz (raça no sentido de todos os seres que povoam o Planeta Terra) continuam se encarnando em povos ou tribos que ainda representam períodos do passado, como sejam os ditos aborígenes da América, África e certos ramos asiáticos, devido, justamente, aos seus estados de consciência ou pouco adiantamento. Todavia admitimos que muitos destes, possam atuar em ambientes e criaturas afins aos subplanos. Porém nunca como os que conhecemos e se identificam como Protetores, Guias e Orixás intermediários... Da grande Lei de Umbanda.


Doutrina

Na doutrina estas supracitadas Entidades, de “caboclos e pretos velhos”, ensinam da existência de um Ser Supremo – (a mesma Deidad ou Sat – Raiz sem Raiz – da Doutrina Secreta) Causa Primeira que movimentou todos os Princípios, onde todas as especulações (sobre Ele) se limitam entre as clássicas interpretações filosóficas e teológicas de todos os tempos, e a fé ou grau de alcance espiritual de cada um...
Ensinam também que Ele deu vida ativa a todos os Espíritos para se tornarem nos EGOS individualizados, que, sistematicamente, tomam a forma humana, desde as noites da Eternidade. Afirmam mais que Deus (ou Zambi, Olorum, Obatalá, Tupan etc.) revelando os Seres e criando as Leis – cósmicas, de causas e efeitos etc. – por certo que revelou ou estabeleceu também a Lei Uma ou seja, a Verdade Imutável (a verdade entra no aspecto do Relativo, de acordo com as concepções, penetrações, isto é, em relação  com os já mencionados estados de consciência dos homens), com suas Regras – morais, espirituais, imprescindíveis ao crescimento desses mesmos Egos, nos sucessivos Ciclos de Evolução ou seja, desde a 1a Raça Mãe, dita Adâmica, até a atual, no meio de sua 4a Ronda ou Círculo de Provas...
Consideram mais que esta Lei Uma, com suas LINHAS DE FORÇA – estabelecidas pelo CRIADOR – DETERMINAM as Correntes de Equilíbrio e Ascenção – fisio-psíquicas-espirituais e são realmente, o que conhecemos, esotericamente, como as 7 LINHAS DA UMBANDA e que, esotericamente, são confundidas e chamadas de “linhas de santo”, linhas disso ou daquilo. Essas Eternas Verdades, transcendentais no verdadeiro Meio Umbandista, JAMAIS devem ser comparadas com os dogmas ou convencionalismos de outras religiões ou escolas...
Devemos frisar que os espíritos de “caboclos e pretos velhos” se apresentam nestas formas, para se identificarem como militantes da Lei, por afinidades com antiquíssimas encarnações onde muito sofreram, para simbolizarem assim a individualidade nestes estados – como Pureza, Simplicidade, Humildade... Pois bem, repetem sempre, que a Umbanda revivendo a original Tradição, por intermédio deles, tem por Missão precípua, restaurar certos ensinamentos ocultos, em paralelo com a capacidade de aferição dos humanos, a fim de evoluírem mais rapidamente, pois é visível o atraso espiritual desta raça ainda envolta em duros cascões – astrais, mentais, religiosos, sociais etc.
Realmente estas entidades vem lutando tenazmente dentro dos agrupamentos afins no sentido de elucidarem as criaturas, ainda sensíveis pelo atavismo latente a se arraigarem a influências diversas, no próprio meio onde é atuante o fetichismo e as práticas absorvidas de outros setores religiosos. A dificuldade primordial destes “caboclos e pretos velhos” está em que, para doutrinarem, conservando seus ensinamentos corretos – não deturpados – livres destas tendências e práticas, necessitam do fator mediúnico e este é complexo, nem sempre tem veículos (denominados médiuns, aparelhos, mediadores e até cavalos etc.), apropriados, para se externarem verdadeiramente. Estes veículos são realmente, os pontos vitais na Umbanda...


Dentro da ciência dos números

De fato, as nossas Entidades já deram a prova de serem os defensores das Antigas e Eternas Verdades, e para isso, identificaram Umbanda como a primitiva Lei Religio-Científica, dando pela ciência dos números, sua própria NUMEROLOGIA – CHAVE FUNDAMENTAL, citada e ansiosamente pesquisada no todo, pelos Iniciados das várias Escolas, inclusive pela própria H. P. Blavastki (fundadora da E. Teosófica), que fundamente sua Doutrina Secreta (1o vol.) nas 7 Estâncias do “Livro de Dyzan” (estas Estâncias se baseiam nesta numerologia, porém, velando ou ocultando, todo arcabouço desse sistema de números, básicos, relacionados diretamente com a Cosmogonia esotérica e com as Hierarquias Divinas até as Sub-humanas), argumentando repetidamente nesta chave sagrada. Fazem a mesma coisa, robustecendo conceitos ou ensinamentos, Roso de Luna, Sinet, Figaniéri, A. Besant, e dezenas de outros mais em suas obras...


Análise do panorama do meio

Todas as religiões tem sua parte interna (ou esotérica) e externa (exotérica ou pública) e se fizeram distintas, entre si, porque particularizaram sistemas e regras, isto é: foram interpretadas ou concebidas em relação com as conveniências políticas, sociais, morais e espirituais de povos ou raças, pelos seus sacerdotes e autoridades religiosas que formaram ensinamentos, em livros sagrados, variando, velando ou deturpando pelo Relativo, o aspecto Uno da Verdade. E assim é que os mitos, símbolos e ritos são véus com os quais envolveram as massas. Todavia, estes véus, são desvelados, em justaposição com as necessidades e penetrações dos iniciantes, dentro do critério com que foram criados ou seja: só o podem fazer, os realmente capacitados ou autorizados... Esta é a regra.


Finalizando

Como não temos mais espaço, reafirmamos o que disse o irmão H. de S. em reportagem anterior: “Umbanda é a LUZ nas TREVAS”; é também o que disse o confrade R. de C. “Umbanda é caminho, é sentimento, é magia, é símbolo. Veio de longe, de onde? Veio de sempre para o nosso amor”. Tudo isso se harmoniza em nosso coração e nos fez sentir nestas composições a mesma mística, quando dos arcanos profundos d’alma, o verbo fremente interroga:
– SENHORA DA LUZ – QUEM ÉS? – Eu sou a Umbanda – vibração mágica de amor e força – ELO envolvente que atinge a tudo e a todos!
Como Expressão e Regra, sempre me apresentei Velada pelo próprio Manto do Criador! Envolta nele, estendi as variações de minha “forma-luz” sobre os povos, através dos séculos...
No entanto eu sou a Primitiva Revelação, Alma do Mundo, sem princípio e sem fim, dentro do seio da Eternidade!
Já me fiz interpretar, inúmeras vezes, sendo assim decantada, na concepção e na fé: “Eu sou a Natureza, mãe das coisas, senhora de todos os elementos, origem e princípio dos séculos, suprema divindade, rainha dos Manes, primeira entre os habitantes do Céu, tipo uniforme dos deuses e das deusas. Sou eu cuja vontade governa os cimos luminosos do Céu, as brisas salubres do oceano, o silencio lúgubre dos infernos, potencia única, sou pelo Universo inteiro adorada sob várias formas, em diversas cerimônias, com mil nomes diferentes. Os Frígios, primeiros habitantes da terra, me chamam a Deusa – mãe de Pessinonte; os atenienses autóctones me nomeiam Minerva, a Cecropana; entre os habitantes da ilha de Chipre, eu sou Vênus de Paphos; entre os cretenses, armadores de arco, eu sou Diana Diehjna; entre os Sicilianos que falam três línguas, eu sou Proserpina, a Stiglana; entre os habitantes de Elêusis, a antiga Ceres, uns me chamam Juno, outros Belone, aqui Hecate, acolá a deusa de Ramonte. Mas aqueles que foram os primeiros iluminados pelos raios do sol nascente, os povos Etiópicos, Arianos e Egipcíos, poderosos pelo antigo saber, estes, sós, me rendem um verdadeiro culto e me chamam pelo meu verdadeiro nome: rainha de ISIS” (Apuleia – “Metamorfose”, IX, 4).
Porém, entre aqueles do passado, no presente, existem muitos, que conseguem me ver sem o véu de ISIS e para estes Eu sou a Lei – a Unidade – excelsa manifestação do Verbo, que harmonizo minha tônica, através dos Planos e Subplanos e me faço atuante, pelo Relativo na Verdade, dentro dos corações de todas as criaturas que neles se situam. E, hoje, também, que de meu antigo berço, mil cânticos me evocam, farei reviver, das brumas do esquecimento, como imperativo da Nova Era que chegou, os Antigos Mistérios – a perdida síntese Relígio-Científica...




[1] Na verdade 1908 (nota do organizador).