domingo, 11 de setembro de 2016

VAMOS CANTAR CORRETAMENTE O HINO DA UMBANDA


Segundo Mestre Marne, membro fundador do CONDU, que participou em 1976 da aprovação da obra de J. M. Alves como Hino Oficial da Umbanda, no Rio de Janeiro (Hotel Glória), é de suma importância que o Hino da Umbanda seja cantado com a letra e melodia correta, sem mudança alguma. Porque na hora da oficialização do Hino, foi perguntado ao Sr. Jerônimo Vanzeloti, presidente da Convenção do CONDU, se o compositor J. M. Alves iria cobrar direitos autorais de sua obra. Diante desse questionamento o Sr. Vanzeloti, foi conversar com o autor e o mesmo mandou o seguinte recado a todos os presentes: “Não vou cobrar nenhum tostão de direito autoral, só peço para manterem meu nome como autor”, porém proibiu que a letra de sua obra fosse mudada em sequer uma vírgula e que toda vez que forem cantar o Hino da Umbanda, a mão direita deverá ser colocada sobre o coração. Por isso, é importante que todos pratiquem esse ato cívico de Umbanda, como demonstração de fé e respeito, conforme o Sr. José Manuel Alves queria e pediu pra ser.
Assim, não se deve cantar duas vezes a parte final do Hino:
“Levando ao mundo inteiro a bandeira de Oxalá”.
Observem a partitura.


terça-feira, 30 de agosto de 2016

FASES DA LUA


Eu, minha esposa Tarsila e meu filho Tharso estivemos ontem na inauguração da nova sede do Templo Fases da Lua dos nossos queridos irmãos Alexandre e Carina.
Uma noite maravilhosa com muita luz, energia e amor.
Compartilhamos estes momentos com irmãos de diversos terreiros. Conversa proveitosa com Sandra Santos, Evandro Besouro, Kelly e Denisson.




domingo, 28 de agosto de 2016

HISTÓRIA DA UMBANDA NO BRASIL

Conhecer a nossa história significa, entre outras coisas, não repetir os erros do passado. Há vinte e cinco anos recebi do Astral a tarefa de resgatar a memória da Umbanda. Desde então uma árdua, mas prazerosa tarefa vem sendo desenvolvida com o auxilio precioso do Astral e de irmãos que também tem o interesse nesta jornada, além de uma profunda pesquisa de documentos, matérias, reportagens, imagens e depoimentos. Visitas físicas e virtuais à Biblioteca Nacional, sebos e terreiros tem sido de grande valia.
Hoje o registro da Umbanda está concentrado na EDITORA DO CONHECIMENTO.
Durante 20 anos tentei encontrar um exemplar do livro “No Mundo dos Espíritos”, de Leal de Souza, o primeiro que fala de Umbanda, de 1925. O mesmo Leal de Souza, o primeiro historiador da nossa religião, escreveu “O Espiritismo, a Magia e as Sete Linhas da Umbanda”, em 1932. O primeiro eu consegui em 2010 e repassei para a Editora que o publicou em 2012. O mesmo ocorreu com o segundo que já encontra na segunda edição.
“Antonio Eliezer Leal de Souza: o primeiro escritor da Umbanda” é a primeira biografia sobre o jornalista, poeta parnasiano (lançado por Olavo Bilac), espírita e umbandista. Dois anos de trabalho ininterrupto culminaram com o lançamento desta obra, em 2009. Um ano depois foi publicado o livro “A Construção Histórica da Literatura Umbandista”.
Um projeto ambicioso e de fôlego foi iniciado em 2013. A coleção “História da Umbanda no Brasil”. O primeiro e segundo volumes foram lançados em 2014. Em 2015 saiu o terceiro volume. O quarto volume está na fase final de produção e será lançado em breve. O quinto volume está sendo redigido e deverá ficar pronto até o fim do ano.
Cabe ainda registrar que a EDITORA DO CONHECIMENTO lançou, em 2015, a obra “Reflexões sobre a escola do Caboclo Mirim”, de Sérgio Navarro Teixeira. Outra obra interessante é “História da Umbanda: uma religião brasileira”, do nosso irmão Alexandre Cumino, publicada pela Madras Editora.

Enfim: a Umbanda tem história e ela está devidamente registrada.

edconhecimento.com.br










segunda-feira, 25 de julho de 2016

SARAVÁ PAI ERNESTO

No dia 20 de julho Pai Ernesto Antonio Scazzioti foi para o outro lado da vida, aos 92 anos.
Uma grande alma humilde que muito amava a Umbanda. Fazia um trabalho simples, pés no chão, mas muito eficiente.
Com ele dei os meus primeiros passos na Umbanda.
Muitas vezes compartilhamos o mesmo cachimbo na sala dos professores do Colégio XII de Outubro.
Com certeza foi bem recebido e acolhido pelo Astral por seus méritos na prática da caridade e pela sua bondade. Saravá meu pai.
Que os Orixás, guias e protetores lhe iluminem na nova caminhada espiritual.



quarta-feira, 20 de julho de 2016

VISITA À CASA DE CHICO XAVIER EM UBERABA


Fotos registradas no quarto dele com alguns de seus objetos pessoais. Uma grande emoção pisar no solo em que ele pisou.Uma foto com Eurípedes, filho adotivo do Chico.Casa e acervo muito bem preservados.














domingo, 17 de julho de 2016

SEU SETE DA LIRA E MÃE CACILDA DE ASSIS COLOCAM OS PINGOS NOS "IS"


Após os eventos televisivos no Programa do Chacrinha e Flávio Cavalcanti, EM AGOSTO DE 1971, a fama de Seu Sete da Lira cresceu assustadoramente. Como diz o velho ditado: “ninguém chuta cachorro morto”.
O fato incomodou a imprensa, a igreja, o governo militar os invejosos de plantão, principalmente os pais de santo e mães de santo. Reportagens sensacionalistas tentaram enxovalhar a obra assistencial praticada por Seu Sete da Lira e sua médium Cacilda de Assis. Disseram, por exemplo, que a Lira do Rei era instrumento de enriquecimento ilícito da sua intermediária no mundo dos encarnados. Diziam que havia sonegação uma quantia grande de impostos etc. Mãe Cacilda de Assis reuniu a diretoria da Tenda Espírita Filhos da Cabocla Jurema, juntou farta documentação e colocou os pingos nos “is” conforme podemos ver na reportagem.


Revista O Cruzeiro, 20 de outubro de 1971, n. 42

Uma mesa comprida com bolos e doces, bandeirinhas azuis, rosas vermelhas, mil cores. Gente bem vestida. Expectativa. Estamos na Lira do Seu Sete, em Santíssimo, Guanabara. Ainda não eram três horas e, do lado de fora da Tenda Espírita Filhos da Cabocla Jurema, suadas, umas duas mil crianças esperavam, desde o amanhecer, que Mãe Cacilda, cavalo de Seu Sete, iniciasse a distribuição de presentes há vários anos repetida. Era mais um dia 27 de setembro, data de Cosme e Damião.
Enquanto todo mundo esperava que seus filhos saíssem de lá com uma lembrança do dia da festa, Dona Cacilda de Assis, diretora-presidente do terreiro, havia naquele mesmo dia feito uma reunião importante com os outros diretores: Petisco, Luzia, Prieto e José Gomes. Discutiram as condições da Tenda e uma prestação de contas que deveria ser feita à sociedade.
– A imagem do Rei da Lira, o Nosso Pai, foi distorcida por muita gente.
Enquanto falava, ela is colocando pulseiras nos braços para começar a festa da gurizada. Mãe Cacilda, como é tratada, estava em uma tarde atarefada:
– Depois que eu terminar minha missão com a criançada, vou dizer muita coisa para vocês. Tenho que mostrar aos fiéis que fomos vítimas de injúrias. Eu e Seu Sete.


A vez de Dona Cacilda

De repente Dona Cacilda de Assis passou a viver momentos difíceis perante a sociedade, só por ser a Mãe de Santo que recebe o Exu Sete da Lira. Várias vezes ela explicou que “o problema da aceitação do povo não foi por culpa minha. Foi só do Seu Sete, que começou a praticar o bem, e muita gente ficou gostando dele. Agora é que estão dizendo o contrário, mas quem diz assim talvez, quem sabe, já tenha precisado do Nosso Pai”.
Ia falando e distribuindo doces entre milhares de mãozinhas frágeis, erguidas em sua direção. Eram bolas, bonecas, carrinhos, roupas feitas pelas mães de santo, sapatos e até medicamentos. Os problemas surgidos não impediram que ela cumprisse a promessa feita aos pais, de que aquela festa de Cosme e Damião ia ser melhor do que a do ano passado, visto que, na nova Lira – que ainda está em obras –, o espaço seria maior e, consequentemente, a distribuição também.
Apesar da movimentação, os membros que compõem a direção da Tenda Espírita Filhos da Cabocla Jurema aguardavam ansiosos que Mãe Cacilda encerrasse tudo, para poder dar atenção aos repórteres e mostrar toda a documentação do terreiro, incluindo cópias autenticadas de comprovantes dos pagamentos das taxas de impostos desde o inicio dos trabalhos de Seu Sete.
Toda a papelada estava em poder de Armando Prieto, secretario da Tenda e devoto fiel do Rei da Lira. Aproximou-se com um Diário Oficial do dia 13 de agosto de 1971 e mostrou:
Tenda Espírita Filhos da Cabocla Jurema... fundada nesta cidade, onde tem sede e foro por tempo indeterminado, com fundo social a constituir-se, tendo por fim: a) praticara, estudar e difundir a religião de umbanda, de acordo com a legislação em vigor no País, e, dentro dos princípios da Fé, Respeito e Compreensão; b) prestar assistência social... etc.
Prieto segura o Diário Oficial entre os dedos e ri para a gente, como quem diz: Estamos certos ou não?
Já era noite, quando Mãe Cacilda se aproximou do pequeno grupo formado no alpendre da sua casa na Rua dos Caquizeiros, 434, explicando:
– Pronto, meus filhos. Terminei minha missão, estou à disposição de vocês para mostrar quantas mentiras andaram espalhando sobre a gente.
Estava empeirada, o rosto suado. Segurou o grosso envelope com papéis amarelados pelo tempo, para mostrar uma declaração da Loteria Federal do Brasil, datada de 21 de agosto de 1958, pela qual a Empreendedora Civil Limitada declara ter pago o prêmio de Cr$ 400.060,00, que tocou ao primeiro décimo do bilhete 3.148 da extração número 119 realizada em 20 de agosto de 1958, da Loteria Federal do Brasil, a Evanir Felix de Carvalho. Evanir é filho de Dona Cacilda e emprestou-lhe o dinheiro para comprar o terreno onde hoje se realizam as reuniões do Seu Sete.
– Como vocês estão vendo, eu comprei o terreno com dinheiro do meu filho. O documento prova tudo. Já está desmentido qualquer boato.


De onde vem o dinheiro

Quanto aos carros que se comentava serem do ano e comprados em agencia em Copacabana, ela também preferiu buscar no meio de documentos um recibo de 15 de julho de 1971, que explica o seguinte:
Recebi do Senhor Evanir Felix de Carvalho a importância de Cr$ 1.154,00 (hum mil, cento e cinquenta e quatro cruzeiros), referente à venda de duas viaturas TNE ¼ Ten, Willys, 1942, motor número MB-420.588, registro EB-217313 e TNE ¼ Ten, Willys, 1942, motor número 40-140 registro EB-216023.
Quartel da Vila Militar – GB, 15 de julho de 1971.
Neste recibo, o cavalo de Seu Sete mostra o ano dos veículos e como foram comprados, explicando ainda que andaram comentando ser ela possuidora de quatro automóveis. Para justificar os 285 milhões das obras da nova Lira, Dona Cacilda argumentou que há muitos anos ela vem fazendo uma campanha justamente naquele sentido. “Com a sua ajuda, faça um doente sorrir”; “Vale um tijolo para a construção da nova Lira do Seu Sete”, e vários outros tíquetes espalhados entre os fiéis durante as apresentações do Rei da Lira.

– A campanha que durou mais de cinco anos, me rendeu uma soma que ainda não pude calcular, pois estava incluída nas despesas das cantinas – cafés, sopas, guaranás, doces, refrescos e outras coisas –, das vendas de amuletos, cordões com o 7 para os fiéis colocarem ao pescoço, anéis, chaveiros, bonequinhos vestidos de Exu 7, guardanapos, plásticos etc. De tudo isso saia dinheiro, que era entregue aos diretores (cinco), para, depois de somado, ser aplicado nas obras. Como prova, podem conversar com dirigentes da Construtora ENAL, que está fazendo tudo, que eles não dirão o contrário.
A respeito dos estacionamentos abertos ao lado do terreiro, Dona Cacilda de Assis faz questão de afirmar:
– Esta deve ser a milésima vez que explico não ter nada com a renda dos estacionamentos. Por causa de tudo isso é que todos já estão sendo legalizados no Imposto Sobre Serviços. Os documentos de Dona Cacilda de Assis, proprietária do terreno onde funciona a Tenda Espirita Filhos da Cabocla Jurema, todos reconhecidos em cartórios da Guanabara, estão à disposição de quem por acaso tenha alguma duvida. Ela mesma explica que não pretende esconder nada. Não gosta que fiquem fazendo péssima imagem de Seu Sete, “Exu que só faz o bem, só pensa em ajudar aos necessitados”.


“Não devo nem ao meu marido”

Disposta a não deixar nada encoberto, Dona Cacilda aproveitou a presença da reportagem para mostrar uma cópia autenticada de um recibo que prova que nem ao seu ex-marido ela deve.
– O meu ex-marido andou dizendo, ou andaram dizendo no lugar dele, que eu ainda lhe devo dinheiro, que não paguei o que deveria ter pago. Isto tudo também é mentira dessa gente malvada. Eis o recibo para vocês darem uma olhada.
No recibo está explicado que ela efetuou pagamento de Cr$ 220.000.00 ao Senhor Reynaldo dos Santos Pereira, como parte que lhe coube no inventário por desquite do casal. O próprio advogado, com inscrição 3.869, garante o pagamento.
Também foi exibido um documento do cadastro Geral de Contribuintes da Secretaria da Receita Federal do Ministério da Fazenda, desmentindo rumores sobre a sonegação de impostos. Dona Cacilda e seu companheiro, o corretor José Gomes, esclarecem nada ter contra ninguém que andou erradamente falando do terreiro. Mas estão fazendo questão de mostrar o lado verdadeiro de tudo. Inclusive ele, como corretor de seguros conhecido na praça do Rio de Janeiro, tem arcado com despesas para a manutenção do terreiro.
– Não conto as vezes em que tive que meter a mão nas minhas finanças para garantir pagamento de empregados da obra. Basta explicar que, para a conclusão de tudo, eu e minha mulher vamos ter de mexer em nossos recursos. Essa história de que tudo é pago no terreiro é conversa. Quando pedimos alguma ajudazinha, é simplesmente para garantir a construção da nova Lira e fazer algumas modificações que só trarão maior comodidade para os fiéis.
A grande preocupação do casal é não deixar que permaneça a falsa imagem construída por noticiários apressados. Também não pretendem continuar cobrando Cr$ 5,00 por uma garrafa de cachaça a quem vai à mesa de cura.
– Após a construção da Lira, quando tudo estiver bem prontinho (já me garantiu a construtora que será para este ano), ninguém mais pagará um centavo de nada. Essas pequenas esmolas também serão evitadas. Quero ver o que dirão os faladores.
Já eram quase 22 horas. Mãe Cacilda tinha desabafado. Fez questão de que os documentos fossem publicados. Espera a compreensão de todos. Olhou para o relógio e falou, antes de entrar:
– Estão vendo como foi a festa de Cosme e Damião. Ninguém contribui com nada. Nós é que estamos fazendo questão de dar tudo isso. Mas Deus é grande e sempre recompensará essa gente com uma bondade.
Chamou as empregadas da cozinha e advertiu que os homens que trabalharam com ela na festa ainda não haviam jantado.  A mesa tinha que ser posta. Cumprimentou a todos e foi dormir tranquila. Ela, mais uma vez obedecera ao seu Rei. O Seu Sete da Lira, o homem que afirma: “Só o amor constrói”.