quinta-feira, 27 de outubro de 2016

MACUMBA DE RICO CUSTOU Cr$ 300 MIL

Diário Popular, 20 de dezembro de 1990


Um despacho de 30 metros de extensão movimentou a esquina da Avenida João Paulo I com a Rua Padre Domingos Gava, na Freguesia do Ó, e fez a alegria dos pobres que passaram por ali na manhã de ontem. Montadas por um grupo de pessoas durante a madrugada, as oferendas tinham, além dos tradicionais pertences como charutos, frangos e velas, quilos de cerejas e uvas e muito camarão, a um custo aproximado de Cr$ 300 mil.
Em tempo de vacas magras o jeito é apelar para todos os santos. Se só as rezas não resolvem, a solução pode ser um despacho no cruzamento de uma avenida movimentada. Esta foi, provavelmente, a intenção dos autores de um despacho de aproximadamente 30 metros de extensão, que poderia se candidatar a uma menção no Guiness Book, o livro dos recordes, colocado em frente ao número 1510 da Rua Padre Domingos Grava, esquina com a Avenida João Paulo I, na Freguesia do Ó, Zona Norte da Capital Paulista.
Entre os tradicionais charutos, velas, frangos e pratos de farofa, canjica e acarajé, quilos de frutas da época como mamão, cereja e uva, e muito camarão, havia vários bilhetes agradecendo o bom ano e pedindo saúde e paz para 1991. Dois bilhetes traziam pedidos curiosos. Em um deles o autor, Fred José da Silva, pede para conseguir vender dois carros e ter condições de montar uma loja. Outro, de autoria não identificada, pedia dinheiro para pagar o INPS atrasado.
Segundo os moradores, é comum aparecer trabalhos naquele local. “Mas grande assim é o primeiro”, afirmou o funileiro Eugênio Moreira Sobrinho, que contou 20 frangos e dezenas de garrafas de champanhe, vinho e uísque. Mas logo no inicio da manhã muitas pessoas passaram apanhando as frutas e bebidas. “Levaram caixas cheias”, disse Eugênio.
Para Eugênio Sobrinho, que se diz médium, o trabalho foi feito por adeptos do Candomblé e seriam, no total, 13 e não apenas um despacho. “Isso não ficou por menos de Cr$ 300 mil”, acrescentou. Apenas o comerciante aposentado João Rodrigues, de 71 anos, disse ter visto os autores do trabalho.
Segundo o aposentado, era por volta de 0h 30 de ontem quando quatro carros pararam em frente à sua casa, que fica na Avenida João Paulo I, número 1478. Ele ouviu o barulho dos caros estacionando e desceu para verificar o que se passava. “Eu sai para a porta com um porrete, então eles passaram para outra esquina. Em seguida, passou uma viatura da PM e ouvi-os dizerem: nós já vamos. Quando a policia apareceu, eu entrei e fiquei observando de dentro. Os policiais foram embora e em menos de 20 minutos estava tudo arrumado”, afirmou.
João Rodrigues disse não saber quantas pessoas fizeram o trabalho “porque eles andavam muito rápido para arrumar tudo”, mas confirma que eram quatro carros e não havia pessoas conhecidas. O funcionário da administração Regional da Freguesia do Ó, Severino Cândido, que esteve no local recolhendo o material, calculado em aproximadamente 300 quilos o total do despacho.


Nenhum comentário: