domingo, 18 de abril de 2010

UMBANDA NA MIDIA - PARTE 4




A Umbanda esteve presente na Revista Visão em dois momentos. O número 40, de 3 de outubro de 1993, trazia como matéria de capa A Umbanda Cruza Fronteiras. A chamada do texto apontava:

Enquanto enfrentam a campanha movida pelos católicos e pelas lideranças do movimento negro contra o sincretismo, os umbandistas mostram a força de expansão de seu culto, que já chega à Argentina, ao Uruguai, até a Itália. São transformações de um credo que nasceu mestiço.

A reportagem mostrava que no Uruguai existiam mais de três mil terreiros de Umbanda. Citava ainda que em outros paises, como Argentina, Bolívia e Chile também havia templos umbandistas. Um fato curioso era apontado: A União de Umbanda do Rio Grande do Sul tinha uma tenda filiada em Roma, a quatro quarteirões do Vaticano. Essa mesma entidade federativa havia criado um Departamento de Relações Exteriores.
Jamil Rachid, presidente da União de Tendas Espíritas de Umbanda e Candomblé do Estado de São Paulo dizia: No Brasil existem 550 mil templos umbandistas. No Estado de São Paulo, 35 mil estavam registrados até 1980.
A matéria foi muito importante para retratar a expansão do Movimento Umbandista daquele momento histórico brasileiro onde ainda não havia uma proliferação tão intensa das igrejas evangélicas que acabaram arrebanhando muitos umbandistas insatisfeitos com a religião.
O número 46, de 15 de novembro de 1989, da mesma revista fazia referência aos 81 anos da Umbanda e as origens do culto com a matéria: Saravá, Umbanda! Para tanto foram entrevistados Edison Cardoso de Oliveira e Diamantino Fernandes Trindade do Templo Espiritual de Umbanda Ogum Beira-Mar, localizado em São Bernardo do Campo, São Paulo. A reportagem visitou o terreiro e fotografou o rito de atendimento público em 3 de novembro do mesmo ano. Sobre o templo foi escrito:

É uma sala quase humilde. Limpa. Pequena. Numa espécie de palco, fechado por uma cortina, fica o altar, com o Coração de Jesus ao centro, cercado por vários santos do catolicismo: São João Batista, São Roque, São Jerônimo, São Lázaro, Santana, Santa Bárbara, São Cosme e São Damião. E Yemanjá, é claro.

Sobre a expansão do Movimento Umbandista podemos ler:

Estima-se que os terreiros de Umbanda no Rio de Janeiro sejam cerca de 20 mil. A União de Umbanda do Rio Grande do Sul tem uma casa filiada em Roma (VISÃO, 3-10-83) e exportou a religião para o Uruguai e a Argentina. E de tal forma a Umbanda se expandiu nesses paises que em 1978 a Primeira Convenção Umbandista do Uruguai reuniu aproximadamente 50 mil pessoas no Estádio do Peñarol, em Montevidéu. Diamantino garante também que há terreiros de Umbanda em Lisboa, pela grande influência de brasileiros que lá vivem; que há pelo menos uma tenda de Umbanda em Israel, fundada por um seu aluno; e que a Umbanda está disseminada também nos Estados Unidos, com várias tendas em Nova Iorque.

A partir do inicio dos anos 1990 houve um recrudescimento na expansão do Movimento Umbandista motivado pela ascensão das igrejas evangélicas.

5 comentários:

Maristela disse...

Voce cita esta evasao de umbandistas insatisfeitos para as Evangelicas,e dos Centros Kardecistas tambem?

Maristela disse...

Voce cita que houve um evasao de umbandistas insatisfeitos para as Evangelicas,e dos Centros Kardecistas?

Diamantino F. Trindade disse...

isto é citado no livro Umbanda Brasileira: um século de história.

Anônimo disse...

Como a Igreja Católica encara o culto à São Roque pelos umbandistas?

Angela

Diamantino F. Trindade disse...

A Igreja Católica é contra qualquer sincretismo religioso com os santos católicos, embora mantenha uma posição politicamente correta" em relação ao tema.